Para melhorar a sua experiência na plataforma e prover serviços personalizados, utilizamos cookies. Ao aceitar, você terá acesso a todas as funcionalidades do site. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

17 de junho de 2024 Rio do Sul
  • ref_B_Unimed AV_Campanha_Laboratório_ETAPA_01_BANNER-GCD_970x250px

Escola SESI de Rio do Sul participará do torneio de robótica


Por Cristiane Faustino Publicado 09/11/2023 às 14h03
Escola SESI de Rio do Sul participará do torneio de robótica, em Joinville
Foto: Redação GCD

Entre os dias 10 e 14 de novembro, a Federação das Indústrias (FIESC) promoverá o Torneio SESI de Robótica FLL, na nova escola, que funcionará junto ao Moinho Joinville. Equipes da Escola SESI de Rio do Sul estarão presentes.

A turma estará concentrada na realização das missões propostas pelo  torneio de robótica da FIRST Lego League (FLL). Estudantes das escolas do SESI e de escolas públicas e particulares disputam vagas na etapa nacional. O tema desta temporada é Masterpiece (Obra de Arte).  

Escola compete com duas equipes

A Escola Sesi de Rio do Sul irá competir com duas equipes, a Silicon Dragon, que participa pela primeira vez. El é formada pelos estudantes: Amanda Heinrich, Beatriz Gieseler, Leonardo Gilz Avi, Ramiro Fachini da Silva, Thalita Gabriela Zermiani Caxoeira, Vitória Anacleto e o técnico, Peterson Dirksen.) O projeto de pesquisa está voltado ao voleibol atrelado à arte, por meio da simulação de imagem de quadra de vôlei com uso de projetores.

A outra equipe é a Little Builder. Composta pelos alunos: André Luiz Chiqueleiro Filho, Arthur Moratelli Martini, Lucas Sanzon Reinert, Manoel Leal Cristofolini, Pedro Henrique Brizola, Raul Maciel Sperb e o técnico, Daniel Rudolf). O projeto dos estudantes visa o incentivo à leitura, colocando frases inacabadas de livros em pontos de ônibus, pacotes de embalagens, etc, junto com um QRcode, que direciona para a página do livro.

Alunos superam desafios com o projeto

A Supervisora Comercial de Educação, Gisele Jaqueline Raimundo, comenta como foram feitas as seleções dos alunos para as equipes. “Quando fazemos a seletiva do jovem para participar da equipe de alto desempenho que vai ser representante da nossa escola Sesi já começa a gerar um sentimento e algo pelo novo. Porque quando a gente está a frente de um desafio motivador, deixa a insegurança, faz trabalho em equipe e supera desafios. É um das etapas de avaliação também do torneio, porque o projeto ele sai da sala de aula, ele sai do nosso espaço de treinamento e ele é apresentado também à comunidade. Assim como a gente fez várias apresentações na nossa mostra tecnológica, visitamos outras entidades para fazer a validação dos nossos projetos”, revela.

Disputas da FLL e seletivas da FIRST Tech Challenge

Nos dias 10 e 11, além das disputas da FLL, os alunos participarão de seletivas da FIRST Tech Challenge (FTC). Dentro do programa educacional F1 in Schools, as equipes irão realizar seletivas internas para seguir à disputa regional. O professor de robótica e técnico da equipe Silcon Dragon, Peterson Dircksen, destaca que o torneio é um processo de desenvolvimento profissional e pessoal. “Temos aqui a aplicação da metodologia Steam, apesar de aparecer mais no ensino médio, a metodologia já está enraizada desde primário aqui na nossa escola. Essa temporada fala muito sobre arte, onde temos que identificar muitos fatores. Então, é um conjunto de habilidades que vai desenvolver com esses alunos”, conta. No sábado, dia 11, haverá ainda o espetáculo científico Ciência em Show.

Já nos dias 13 e 14, o evento receberá equipes de escolas públicas, particulares e times de garagem. O estudante, Lucas Sanzon Reinert, participante da equipe Little Builder detalha o projeto do grupo. “O nosso projeto é incentivar a leitura nas pessoas, utilizando artes, tecnologia e inovação. Um problema muito grande que a gente identificou dentro da leitura é as pessoas preferirem utilizar o celular para algo não enriquecedor. Vamos usar para estimular as pessoas a ler os QR Codes com uma frase inacabada embaixo de algum livro. As pessoas lendo a frase inacabada, vai gerar curiosidade. Aí elas irão escanear o código e dentro vai ter um site que a gente fez com a bibliografia do livro, o nome do autor, número de páginas, informações sobre o livro e a continuação da frase ”, detalha.

  • AmandaFM_PrimeiroLugar_BANNER_728x90

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Baixar o App na Google Play Baixar o App na App Store