Para melhorar a sua experiência na plataforma e prover serviços personalizados, utilizamos cookies. Ao aceitar, você terá acesso a todas as funcionalidades do site. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

17 de junho de 2024 Rio do Sul
  • ref_B_Unimed AV_Campanha_Laboratório_ETAPA_01_BANNER-GCD_970x250px

Explosão solar mais poderosa dos últimos tempos é registrada 

Oito erupções foram registradas em uma semana


Por Berta Thiesen Publicado 17/05/2024 às 17h07
Imagem ilustrativa da maior explosão solar dos últimos tempos. Imagem aproximada criada em computador do sol.
Imagem Ilustrativa de explosão solar. – Foto: Reprodução / Forbes

Uma mancha solar hiperativa registrou oito explosões ao longo de uma semana. Entre elas, foi registrada a explosão solar mais poderosa dos últimos tempos. 

Trata-se da mancha solar AR3664, que já tem cerca de 200 mil km de uma ponta a outra. Ou seja, essa mancha já é 15 vezes mais longa que a Terra e pode se observar facilmente, usando óculos de proteção de eclipse. Além disso, essa área do Sol agrupa várias manchas solares. 

As oito erupções registradas no local são de classe X, que é o tipo mais forte. A explosão solar mais poderosa dos últimos tempos aconteceu às 13h55 de terça-feira, 14 de maio, com a potência X8.7. 

Para melhor compreensão, vale destacar que estamos passando pelo ciclo solar, que começou em dezembro de 2019 e dura 11 anos. Esta explosão na AR3664 em X8.7 é a maior deste período. Além disso, o ciclo solar está próximo do pico de atividade.

O que são explosões solares e como impactam a Terra?

As explosões solares são disparos de radiação eletromagnética.

Letras categorizam as explosões pelo grau de poder, sendo “X” a mais poderosa. Além disso, dentro de cada letra, números de 1 a 10 representam a força da explosão.

No caso da explosão solar mais poderosa dos últimos tempos, não deve haver nenhum impacto geomagnético na Terra por conta da localização da AR3664. No entanto, a plataforma de meteorologia e climatologia espacial spaceweather.com, uma conexão com o planeta está causando apagões de rádio contínuos.

De acordo com os relatos, toda a Austrália e Leste Asiático tiveram apagão quase completo em frequências de 20MHz ou menos. 

Auroras boreais apareceram recentemente em locais inusitados da Europa. Além disso, raras auroras austrais foram registrada na Argentina e Chile. Eventos assim são comuns em tempos de explosões solares. Este evento solar, não deve produzir auroras mais abaixo no globo terrestre do que o habitual.

As auroras são desencadeadas por partículas energéticas que reagem com o oxigênio e nitrogênio da atmosfera. Com a proximidade do máximo solar elas tendem a aparecem mais e em latitudes mais baixas.

Nasa divulga imagens da explosão solar mais poderosa dos últimos tempos

A explosão solar mais poderosa dos últimos tempos rendeu um alerta da Agência de Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA). Foi a primeira vez desde janeiro de 2005 que um aviso de tempestade “severa” foi emitido pela agência.

Confira imagens divulgadas pela NASA da explosão.

Esta foi a 17ª maior explosão solar da história.

Por que explosões solares interferem em ondas de rádio?

A mancha AR3664, responsável pela explosão solar mais poderosa dos últimos tempos, está girando sobre a borda ocidental do Sol, o que pode a unir magneticamente com a Terra. 

Uma aceleração em alta velocidade de prótons da AR3664 pode saltar na Espiral de Parker, que funciona como uma espécie de “estrada super rápida”, que traria as partículas para a Terra. A partir dessa conexão das correntes elétricas do Sol, um campo magnético multiplex se aventura no espaço e cria um campo magnético interplanetário. Aí, com o giro do Sol, o vento transporta o campo magnético para o espaço e forma uma grande espiral giratória de partículas carregadas.

Com o contato dessas partículas carregadas com o campo magnético da Terra, os prótons vão em direção aos polos e reagem com a nossa atmosfera. Por fim, isso deve causar problemas para transmissões de sinais de rádio de ondas curtas.

espiral-de-parker
Representação artística da espiral de Parker. Crédito: Reprodução/ Olhar Digital / J. Jokipii/Universidade do Arizona

LEIA TAMBÉM:

Pico solar acontece em 2024

Anteriormente, vimos que o pico solar está próximo de acontecer. E um grande sinal desse máximo do sol são as auroras. 

O máximo solar é definido pelo NOAA, mesmo órgão que alerta sobre a explosão solar mais poderosa dos últimos tempos. Os pesquisadores se baseiam na história de longo prazo do número de manchas solares, estatísticas e modelos do fluxo de gases quentes e ionizados dentro do sol, que geram seu campo magnético e impulsionam o ciclo solar.

A atividade solar oscila em ciclos de cerca de 11 anos. Atualmente, estamos no 25º ciclo. A primeira previsão deste ciclo falava no pico solar ser em 2025. No entanto, uma atualização fala que o pico colar acontece entre 25 de janeiro e outubro deste ano, 2024. 

Próximo de cada pico solar, o Sol fica mais “furioso”, o que também pode explicar as explosões e o que causou a explosão solar mais poderosa dos últimos tempos.

Portanto, em 2024, o pico chega mais cedo e será mais forte que o estimado.

E o futuro das explosões solares?

Órgãos de extrema importância, como NASA e NOAA, estudam esses fenômenos há anos. Por isso, as previsões são fundamentais, já que as atividades geomagnéticas podem influenciar em atividades via satélite, rádio, internet e até causar riscos para pilotos de avião e astronautas em órbita na Terra. 

Esses avisos prévios de eventos climáticos podem ajudar a implementar procedimentos de proteção para reduzir os riscos.

Além disso, nem todas as interferências na magnetosfera são destrutivas. 

📲 Receba notícias no WhatsApp.

  • AmandaFM_PrimeiroLugar_BANNER_728x90

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Baixar o App na Google Play Baixar o App na App Store