Para melhorar a sua experiência na plataforma e prover serviços personalizados, utilizamos cookies. Ao aceitar, você terá acesso a todas as funcionalidades do site. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

19 de maio de 2024 Rio do Sul
  • WhatsApp Image 2024-05-07 at 08.18.56

Secretário afirma que pagamento pela limpeza dos rios será pela quantidade de material retirado

Desassoreamento e proteção das margens dos rios são as primeiras ações para a mitigação das cheias no Alto Vale do Itajaí


Por Tatiane Silva Publicado 16/05/2024 às 17h23
Governador Jorginho Mello e autoridas da região sobre plataforma.
Secretário afirma que pagamento pela obra será pela quantidade de material retirado dos rios. Foto: Governo do Estado.

Em entrevista no Café com Notícias, na Amanda FM, o Secretário de Estado da Proteção e Defesa Civil, Fabiano de Souza, esclareceu alguns pontos sobre os trabalhos de melhoramento fluvial no Alto Vale: o desassoreamento e limpeza dos rios Itajaí-Açu, Itajaí do Oeste e rio Itajaí do Sul e também obra de proteção das margens.

O equipamento usado será a draga de escavação. Conforme o secretário, ela alcançará a profundidade do rio que de acordo com estudos a cota normal é de 3 metros. Caso a cota estiver um pouco acima, a empresa deve colocar outra máquina retroescavadeira com braço de longo alcance.

📲 Receba no WhatsApp notícias da região do Alto Vale

Em 2015, a JICA (Agência de Cooperação Internacional Japonesa) apresentou um projeto para realizar obras de remoção da vegetação e melhoramento da margem em cinco pontos específicos. Agora, os trabalhos de desassoreamento dos rios serão executados em oito pontos. O projeto de cerca de R$16 milhões compreende todo o desassoreamento do Rio Itajaí-Açu, 8.2 km área urbana de Rio do Sul.

Os trabalhadores levarão os sedimentos retirados do leito durante a limpeza dos rios para dois “bota-fora”.

Conforme o secretário, o consórcio vencedor da licitação receberá o pagamento pelo serviço executado com base na quantidade de metros cúbicos de material retirado do rio e depositado no “bota-fora”.

LEIA TAMBÉM

Prazo para execução da obra

Souza afirma que os trabalhos de limpeza dos rios devem terminar no prazo de 180 dias. Como o contrato é de maneira emergencial, a lei estabelece que esses contratos tenham a duração de no máximo um ano a partir da decretação de situação de anormalidade no município, estabelecida em novembro de 2023. Porém, se caso houver chuva acentuada na região, os serviços ficam paralisados, e, portanto, atrasa a obra.

Por fim, além do desassoreamento e limpeza dos rios, a manutenção das barragens também é uma frente de trabalho para mitigação das cheias. Há ainda a preocupação com a construção das barragens de Mirim Doce e Petrolândia e o desassoreamento dos reservatórios.

  • WhatsApp Image 2024-05-10 at 17.11.16 (1)

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Baixar o App na Google Play Baixar o App na App Store