Para melhorar a sua experiência na plataforma e prover serviços personalizados, utilizamos cookies. Ao aceitar, você terá acesso a todas as funcionalidades do site. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

21 de julho de 2024 Rio do Sul
  • ref_B_Unimed AV_Campanha_Laboratório_ETAPA_03_BANNER-GCD_970x250px

Menina ferida em explosão de churrasqueira recebe alta

Família segue com a campanha para arcar com o tratamento da filha, que teve 25% do corpo queimado; acidente doméstico aconteceu em Laurentino


Por GCD Publicado 10/07/2024 às 18h28
Menina ferida em explosão de churrasqueira recebe alta
Menina ferida em explosão de churrasqueira recebe alta – Foto: Arquivo Pessoal

Menina ferida em explosão de churrasqueira recebe alta. Família segue com a campanha para arcar com o tratamento da filha, que teve 25% do corpo queimado; acidente doméstico aconteceu em Laurentino.

📲 Receba no WhatsApp notícias da região do Alto Vale

O fim de semana da família Vieira foi marcado por momentos de tensão após a explosão de uma churrasqueira ecológica em Laurentino. A mãe, Fernanda Vieira Dias, descreveu a noite de sexta-feira, 14 de junho, como desesperadora ao ver a filha, Izabella Vieira Parma, de 10 anos, com 25% do corpo tomado pelas chamas, incluindo rosto, peito, braços, orelhas e cabelo da menina.

WhatsApp-Image-2024-07-10-at-11.13.44
Churrasqueira utilizada no momento do acidente – Foto: Arquivo Pessoal

Fernanda conta que a churrasqueira estava sendo usada pela primeira vez, e o vendedor havia garantido que era 100% segura, afirmando que o álcool em gel utilizado como combustível não era explosivo.

“Fui usar naquela sexta-feira para fazer um churrasco. Era perto de umas 9 horas, mais ou menos, quando a gente começou e quando eu fui reabastecer de novo um dos copinhos acabou explodindo. Eu não sei bem o que aconteceu, assim, eu imagino que a hora que o álcool encostou no copinho que ainda estava quente, acho que isso fez com que reacendesse a chama. Acabou explodindo. Era eu quem tava conduzindo, pegou um pouco no meu braço esquerdo e o restante pegou na Isabela”, conta.

LEIA TAMBÉM

Busca por socorro imediato

No meio do desespero, Fernanda não lembrou do telefone dos bombeiros e ligou imediatamente para a Polícia Militar. Sem conseguir contato, ela e o esposo pegaram o carro e foram diretamente para o Hospital Regional Alto Vale em Rio do Sul, buscando ajuda médica para a filha.

“Demoramos uns 20, 25 minutos, mais ou menos, para conseguir chegar em Rio do Sul. Chegamos lá já fomos atendidos de imediato. Ela principalmente, porque o meu braço foi atingido, mas foi queimadura de primeiro grau assim foi mais tranquilo. Então, o mais importante era atender ela, foi uma equipe maravilhosa”, explica.

Transferência e tratamento especializado

No dia seguinte, Izabella foi transferida para o Hospital Joana de Gusmão em Florianópolis para receber atendimento especializado, após conseguir uma vaga. A menina, então, recebeu todo o suporte necessário tanto na UTI quanto na ala de queimados.

“Na UTI ficou um período entubada, com sonda, tanto para respiração quanto para alimentação. Fez alguns procedimentos cirúrgicos totalmente dopadas, assim, de limpezas de trocas de curativos na UTI. A gente ficou quase uma semana lá, depois colocaram a gente no quarto na ala de queimados. Conversei com cirurgião chefe, ele me explicou como funcionaria, ele achou que ia demorar uns 15 dias de cirurgias de enxerto, porque, eles iam fazer um dia sim, dia não. Mas, na verdade, eles conseguiram fazer em três dias, foi um tratamento rápido e tudo pelo SUS”, ressalta.

Recuperação e fisioterapia

Após 24 dias internada, no dia 09 de julho,  Izabella e a mãe já receberam alta e seguem em recuperação em casa. No entanto, o caminho agora inclui fisioterapia diária, pois no dia 25 de julho, Izabella tem retorno agendado com o médico e a dermatologista em Florianópolis.

“Ela só não pode chegar toda encarregada, porque senão, vão ter que refazer as cirurgias. Porque eles vão fazer uma roupinha de compressão, vamos botar assim para ela colocar nos espaços aonde ela recebeu os enxertos. Além disso, eu já comprei algumas camisetas UV pra ela, porque, ela precisa usar agora essas camisetas UV para proteger a pele do sol”, explica.

Dificuldades e apoio da comunidade

Por fim, Fernanda trabalha como professora admitida em caráter temporário (ACT) e não tem direito a benefícios para cuidados familiares. Como seu contrato encerrou e não foi renovado, a família conta ainda mais com a ajuda da comunidade. Quem quiser colaborar com a Izabella pode doar qualquer valor no PIX que é o CPF da mãe Fernanda, no 088.824.029-59.

“Assim, ao mesmo tempo que eu tenho que voltar a trabalhar, eu também tenho, que levar na fisioterapia. Conseguimos uma psicóloga para ela, que vai começar a atender ela em agosto. Mas ela disse que vai nos ofertar, o trabalho dela gratuito. O que já é um custo menos. Mas, a fisioterapia, se eu não conseguir, eu vou ter que ir pagando, porque, eu não posso deixar minha filha sem”, finaliza.

  • AmandaFM_PrimeiroLugar_BANNER_728x90

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Baixar o App na Google Play Baixar o App na App Store