Para melhorar a sua experiência na plataforma e prover serviços personalizados, utilizamos cookies. Ao aceitar, você terá acesso a todas as funcionalidades do site. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

21 de fevereiro de 2024 Rio do Sul
  • ref_a_unimed_AV_banners_INSTITUCIONAL (2)

De primeiro carro à tatuagem: a paixão pelo fusca que criou o maior encontro de antigos do Alto Vale

Felipe Machado da Silva compartilha sua história de amor pelo Fusca e a criação do maior Clube de Antigos da região


Por Berta Thiesen Publicado 20/01/2024 às 06h46

No dia 20 de janeiro, o Brasil celebra o Dia do Fusca, um ícone automotivo que conquistou milhões de corações ao longo dos anos. No país, mais de 1.900.000 Fuscas de diferentes anos e modelos estão presentes, contando histórias de paixão e memórias.

A história de Felipe Machado da Silva é um exemplo desse amor inexplicável por automóveis, especialmente pelo Fusca. Desde seus 17 anos, Felipe sonhava em ter um “Fuscão”. Finalmente, após muita procura, encontrou o veículo perfeito no interior de Petrolândia, sua cidade natal. Assim, a história de união já dura mais de dez anos. “Eu vinha há tempo procurando um Fusca. Com 17 anos eu pensei ‘eu quero um fusca, meu primeiro carro vai ter que ser um fusca!’. Então procurei por muito tempo até que no interior de Petrolândia encontrei”.

Ao longo dessa trajetória, o carro acompanha Felipe, passando por um processo de restauração que o transformou no que é hoje. Com apenas as rodas e suspensão diferenciadas do modelo original, o Fusca de Felipe é um testemunho vivo de sua dedicação e amor pelos carros antigos.

O Clube de Antigos

O jovem fundou o Clube de Antigos de Petrolândia, uma iniciativa que reúne outros apaixonados nos “placas pretas”. O encontro promovido pelo clube tornou-se o maior da região, atraindo cerca de 400 automóveis por ano. “Petrolândia, no Alto Vale, é o maior evento. O legal do encontro de carro antigo é que ele proporciona um evento para toda a família. Ele abraça todo o mundo. Então assim, a criançada gosta, as esposas gostam de acompanhar os maridos. É um evento que realmente é para toda a família. Eu acredito nisso.”, compartilha Felipe.

A paixão é tão profunda que Felipe tatuou o número do chassi do seu fiel companheiro na pele. “Ele me traz algo muito especial, foi meu primeiro carro. Tá marcado para sempre. A maioria das pessoas que eu converso gostariam de ter seu primeiro carro até hoje. Isso não tem preço, o valor sentimental é inestimável.”

O Dia do Fusca é não apenas uma celebração, mas também um momento para compartilhar histórias de amor e dedicação por esses veículos que marcaram gerações.

  • AmandaFM_PrimeiroLugar_BANNER_728x90 (1)

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Baixar o App na Google Play Baixar o App na App Store