Alto Vale regride e volta a cor amarela no Mapa de Risco para a Covid-19

Após mais de um mês na cor azul no Mapa de Risco para a Covid-19, o Alto Vale apresentou uma regressão nesta semana. A partir de agora, a região é tratada como nível alto (cor amarela). Outros locais monitorados também estão nesta condição. Houve uma piora nos indicadores das regiões do Alto Vale do Itajaí, a partir da elevação no número de óbitos e detecção de casos novos, na região da Grande Florianópolis, a partir da elevação da taxa de infectividade (casos ativos), detecção de casos novos e ocupação de leitos de UTI Adulto, e na região Oeste, a partir da elevação na detecção de casos novos e ocupação de leitos de UTI Adulto. Com isso, estas regiões, que na semana anterior estavam classificadas como moderado (azul), passaram a ser classificadas como nível alto (amarelo), juntamente com as regiões Extremo Sul e Nordeste, que permaneceram no nível alto.

Pela oitava semana consecutiva, nenhuma região do estado foi classificada nos níveis de risco grave (laranja) ou gravíssimo (vermelho). A Matriz de Risco Potencial Regionalizado divulgada neste sábado, 27, aponta 12 regiões como risco potencial moderado (cor azul) e cinco regiões como risco potencial alto (cor amarela).

A última vez que a Matriz classificou uma região no nível grave foi no dia 1º de outubro, e no nível gravíssimo no dia 11 de setembro. De lá para cá houve avanço na vacinação que, alinhado a uma menor taxa de ocupação de leitos de UTI Adulto com pacientes com Covid-19, vem mantendo a tendência de redução da gravidade da pandemia em todas as regiões.

A taxa de ocupação de leitos de UTI Adulto de pacientes com diagnóstico de Covid-19 em Santa Catarina é de 21% no total, com uma ocupação de 298 leitos num total de 1.446 disponíveis, o que classifica a capacidade de atenção do Estado como nível alto. A análise deste indicador torna possível uma melhor gestão da ocupação de leitos de UTI no estado, servindo tanto para monitorar a situação de gravidade da pandemia no estado de forma regionalizada, quanto servindo de parâmetro para a retomada das cirurgias eletivas que foram paralisadas durante o período mais crítico da pandemia.

*Com informações da Secretaria de Estado da Saúde

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.