Fiesc entra na Justiça para tentar derrubar pedido de lockdown feito pelo Ministério Público de Santa Catarina

Foto: Fiesc.

A ação civil pública movida pelo Ministério Público de Santa Catarina e a Defensoria Pública do Estado para que o governo catarinense estenda as restrições contra a Covid-19 adotadas aos fins de semana por ao menos 14 dias seguidos, tem gerado mobilização de lideranças políticas. O deputado federal, Gilson Marques, do partido Novo, aponta os itens contraditórios do pedido e reforça que é contrário ao lockdown.

A Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc) entrou na Justiça nesta quinta-feira (11), com pedido para ingressar na qualidade de “terceiro interessado” na ação onde o Ministério Público (MPSC) o lockdown por 14 dias consecutivos em Santa Catarina. Na ação, a Fiesc defende a manutenção das regras atualmente em curso, determinadas em decreto do governo de Santa Catarina. A federação destaca a essencialidade do funcionamento da atividade industrial para o combate sustentável da pandemia e que o colapso da saúde, associado a um aumento das restrições, provocará o caos social.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.