Eleições 2020: o que você precisa saber para votar

Chegou o dia do voto. Com o horário ampliado, em função da pandemia do novo coronavírus, as votações em todo território brasileiro iniciaram oficialmente às 7 horas deste domingo.

Em Rio do Sul, de acordo com estimativa do Tribunal Superior Eleitoral, 49.829 eleitores, distribuídos em 29 locais de votação, exercem a democracia neste domingo. A apuração dos votos iniciará às 17 horas e a previsão do juiz eleitoral da capital do Alto Vale Fernando Rodrigo Busarello é que, até às 18 horas, todos os resultados já sejam conhecidos.

Antes de sair de casa para votar neste domingo, o eleitor deve prestar a atenção em algumas recomendações da Justiça Eleitoral. Uma delas é conferir o local de votação. É que algumas seções eleitorais passaram por mudanças. Em Rio do Sul, por exemplo, de acordo com a chefe de cartório da 26ª Zona Eleitoral Cleidiane Segnani Adami junções pontuais foram realizadas no Colégio Sinodal Ruy Barbosa, bairro Sumaré, e no Centro Educacional Roberto machado, no Progresso. Algumas creches menores também passaram por mudanças.

“A votação é mais rápida, então não há necessidade de convocar mais mesários”, justifica a Cleidiani. Das 143 seções anotadas pelo TSE, o município passou a ter 217 após a união de algumas seções. 

A 102ª Zona Eleitoral, que cobre os municípios de Rio do Oeste, Lontras, Aurora, Presidente Nereu, Agronômica e Laurentino, também recebeu junções da justiça eleitoral. “Isso é bem normal de acontecer quando em uma seção temos poucos votos. Então, para não utilizar uma urna para esses, agrega em outras. Questão operacional e sem mexer com eleitor que votará no mesmo local de votação”, ressalta o chefe de cartório Carlos Alberto Moraes.

O eleitor deve comparecer à sua seção eleitoral levando um documento oficial com foto e o título eleitoral, se o possuir, por que lá constam os números da zona e da seção eleitoral. Contudo, caso não tenha o título, o cidadão que portar qualquer documento pessoal com foto, sabendo o local correto de votação, poderá exercer seu direito ao voto.

As informações sobre o título eleitoral podem ser obtidas no Portal do TSE, no campo “Serviço ao eleitor”. Quem fez a identificação biométrica poderá optar por usar o e-Título, aplicativo desenvolvido pela Justiça Eleitoral que substitui o título em papel e que pode ser baixado na Google Play e na App Store.

Como nestas eleições o voto irá apenas para dois candidatos, a memorização dos números pode ser mais fácil, mas não impede que o eleitor possa levar sua “colinha”. A primeira escolha é o número do vereador, que contém cinco dígitos; o segundo voto vai para o candidato a prefeito, cujo número possui dois dígitos.

Para as Eleições Municipais de novembro, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) instituiu protocolos sanitários a fim de proteger a saúde de eleitores, candidatos, agentes da Justiça Eleitoral e demais profissionais que atuarão no pleito.

A preocupação da Justiça Eleitoral é evitar aglomerações e a disseminação do novo coronavírus nas mais de 401 mil seções eleitorais espalhadas pelo país. A principal mensagem da Justiça Eleitoral é a de que o eleitor – assim como os mesários e demais colaboradores – permaneça de máscara desde o momento em que sair de casa, evitando contato físico com outras pessoas, e cumpra o dever cívico da forma mais ágil possível, sem permanecer por tempo desnecessário nos locais de votação.

O que é permitido no dia da eleição

De acordo com a legislação, o eleitor pode, no dia da eleição, manifestar individual e silenciosamente sua preferência por partido político, coligação ou candidato, demonstrada exclusivamente pelo uso de bandeiras, broches, dísticos e adesivos.

No entanto, a lei proíbe ao eleitor, no dia do pleito, arregimentar outros eleitores ou realizar propaganda de boca de urna, bem como utilizar alto-falante e amplificador de som, promover comício ou carreata e divulgar qualquer espécie de propaganda de partido político ou candidato.

A legislação impede também, no dia do pleito, até o final do horário de votação, a aglomeração de pessoas portando vestuário padronizado e bandeiras, broches, dísticos e adesivos, de modo a caracterizar manifestação coletiva, com ou sem uso de veículos.

Na cabine de votação, é proibido portar aparelho de telefonia celular, máquinas fotográficas, filmadoras, equipamento de radiocomunicação ou quaisquer instrumentos que possam comprometer o sigilo do voto. Esses aparelhos devem ficar retidos com o mesário enquanto o eleitor vota.

Para votar, o eleitor com deficiência ou mobilidade reduzida poderá contar com o auxílio de pessoa de sua confiança, ainda que não tenha feito o pedido antecipadamente ao juiz eleitoral.

Kelley Alves com informações do TSE

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.