Processo de impeachment de Carlos Moisés será avaliado no plenário da Alesc nesta quinta-feira

Imagem: web.

A votação desta quinta-feira deve ocorrer em uma sessão extraordinária às 15h. Os deputados vão votar primeiro o processo contra a vice Daniela Reinehr. Na sequência, decidem sobre o caso do governador Carlos Moisés. Os 40 deputados estaduais vão decidir se aprovam ou não a continuidade do processo de impeachment de Moisés e da vice Daniela Reinehr. Os parlamentares vão votar um relatório entregue na terça-feira por uma comissão especial de nove deputados que analisou o pedido. Essa comissão aprovou por unanimidade um parecer contra Moisés e Daniela, pelo afastamento deles. Os deputados de Santa Catarina devem fazer votação nominal.

Um a um, irão ao microfone para declarar o voto. São necessários 27 votos (2/3 do total) para que o processo de impeachment avance. Caso contrário, será arquivado. O governo trabalha para tentar obter o apoio de pelo menos 14 deputados que garantam o arquivamento do pedido. Mesmo se os deputados aprovarem o relatório com pedido de impeachment, o governador e a vice ainda não serão afastados do cargo. Pelo novo rito definido pela Alesc, isso só ocorreria após uma segunda votação, feita por uma comissão mista com cinco deputados e cinco desembargadores do Tribunal de Justiça (TJ-SC). Essa comissão será comandada pelo presidente do TJ-SC, o desembargador Ricardo Roesler. O prazo para formação desse grupo é de cinco dias após a aprovação no plenário da Assembleia. Nesta etapa também estão previstos depoimentos de testemunhas e alegações finais da defesa do governador.

O processo de impeachment contra Moisés, no entanto, ainda pode mudar até momentos antes da votação em plenário. A defesa do governador acionou o Supremo Tribunal Federal (STF) para que a corte se posicione sobre qual deve ser o rito de impeachment de governadores nos estados. Uma definição do STF iria estabelecer um rito padrão e atualizado para casos em outros estados, como o Rio de Janeiro, onde há processo de impeachment contra o governador afastado Wilson Witzel (PSC). O caso está com a ministra Rosa Weber. Ela pediu manifestação ao presidente Bolsonaro e ao Congresso Nacional, mas ainda não proferiu decisão. O pedido de impeachment acusa o governador e a vice de crime de responsabilidade por conceder equiparação salarial de procuradores do Estado à mesma faixa salarial dos procuradores da Alesc.

Segundo o autor do pedido, o defensor público Ralf Zimmer Junior, esse reajuste precisaria ser feito por projeto de lei e não decisão administrativa, e também teria representado prejuízo mensal de cerca de R$ 700 mil ao Estado nos meses em que ficou em vigor, entre outubro de 2019 e abril de 2020. O governo alega que cumpria decisão judicial ao igualar os salários da categoria.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.